Não possui atividade digestiva enzimática na saliva do cão, logo, sua eficiência digestiva sobre os carboidratos é inferior à do homem.1,2

Produzida pelas glândulas salivares, tem como função iniciar o processo digestivo químico, através da umidificação do alimento para formação do bolo alimentar que será deglutido (engolido) e ainda auxiliar na transformação química dos alimentos em nutrientes; higienizar a boca e os dentes e proteger o indivíduo contra certas bactérias, ao produzir substâncias químicas com propriedades antibacterianas e anticorpos.3–9

- Glândulas Salivares Maiores

- Parótida, Submandibular, Sublingual e Zigomática

Responsáveis por produzir de mais de 90% de toda saliva, suas secreções possuem um aspecto mais fluido (líquido), participando, principalmente, da umidificação do alimento para formação do bolo alimentar e facilitar a deglutição (engolir). Atua na limpeza dos dentes e da cavidade oral, e reduz as chances da formação do tártaro (cálculo dentário) ao diluir os restos alimentares de modo a facilitar a remoção mecânica destes, exercidas pela ação da língua e lábios.1,3,4,6,8,10,11

Outra caraterística da secreção destas glândulas é participar do processo digestivo através produção de enzimas. No homem está atividade digestiva é bem desenvolvida e caracterizada pela a produção da amilase salivar ou ptialina, enzima responsável pelo início da digestão dos amidos (carboidratos)3,4,8,10. No cão não existe esta atividade digestiva enzimática na saliva, logo, sua eficiência digestiva sobre os carboidratos é inferior à do homem e se traduz numa menor tolerância a dietas ricas em carboidratos.1,2,5,6,10–13

- Glândulas Salivares Menores

- Bocais, Labiais, Palatina e Von Ebner

Responsáveis por produzir a saliva espessa (mucosa) que participa principalmente do sistema imunológico, atuando na proteção contra infecções, através da produção de proteínas antimicrobianas (lisozimas, lactoferrinas, apolactoferrina, IgA, fibronectina, histatinas, β2 - microglobulina, aglutininas salivares e mucinas).3,4,8,9,11 No cão esta atividade é mais desenvolvida do que no homem devido a maior exposição a agentes nocivos.1,2,5–7,10–13

Referências Bibliográficas

1. Windleyanne V, Amorim G, Priscila P, Costa C. Mucocele faríngea em cães – Revisão de literatura. Rev Bras Hig e Sanidade Anim. 2017:448–455. doi:10.5935/1981-2965.20170043.

2. Royal Canin. Enciclopédia do Cão. Paris: Aniwa; 2001.

3. Seefeldt V, Masulo L, Costa D, Nicolau R. ANÁLISE DO BIOFLUIDO SALIVAR PÓS-TERAPIA LED TRANSCUTÂNEA EM REGIÃO MASSETÉRICA – ESTUDO CLÍNICO. In: XX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XVI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação e VI Encontro de Iniciação à Docência. Paraíba: Universidade do Vale do Paraíba; 2014:1–6.

4. Drack R l., Wayne Vogl A, Mitchell AWM. Anatomia Clínica para Estudantes. 3a. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda.; 2015.

5. Dyce KM, Wensing C, Sack W. Tratado de Anatomia Veterinária. Elsevier Brasil; 2004.

6. Argenzio RA. Digestão, Absorça e Metabolismo. In: Dukes - Fisiologia dos Animais Domésticos. 11a. Cornell: Guanabara Koogan S. A.; 1996:297–469.

7. Hennet P. Canine Nutrition And Oral Health. In: Encyclopedia of Canine Clinical Nutrition. Paris: Aniwa; 2006:388–397.

8. Guyton HE. Fisiologia Gastrointestinal. In: Guyton E Hall - Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda.; 2017:797–889.

9. Tank PW, Gest TR. Atlas de Anatomia Humana. São Paulo: Artmed Editora; 2008.

10. Palheta Neto FX, Targino MN, Peixoto VS, et al. Anormalidades sensoriais: Olfato e paladar. Int Arch Otorhinolaryngol. 2011;15(3):350–358. doi:10.1590/S1809-48722011000300014.

11. Hervey CE. Distúrbios Orais, Faringianos e das Glândulas Salivares. In: Tratado de Medicina Interna Veterinária. 5a. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A.; 2004:1265–1317.

12. Pizzato DA, Domengues JL. PALATABILIDADE DE ALIMENTOS PARA CÃES. Revista Eletrônica Nutritime. 2008:504–511.

13.MOTTA VT. Enzimas. Bioquímica clínica princípios e Interpret. 2009;9:91–120. http://www.laboratoriocentral.com.br/wp-content/uploads/2010/08/Bioq.Clinica-Enzimas.pdf.